ARQUIVOS

terça-feira, 31 de outubro de 2017

TOXIC REVOLUTION no bloco "BARULHO NOISE" no Comando Noise dia 05/11/2017

Em janeiro de 2014, formou-se em Cascavel/PR, região Sul do Brasil, a banda Toxic Revolution, se propondo a expandir e propagar suas raízes sonoras e seu arsenal de destruição através do estilo thrash metal/crossover, com letras que tratam dos mais 
variados temas, desde guerra e destruição até os diversos sentimentos humanos, o amor e o ódio, o prazer e a dor, nunca se prendendo a paradigmas impostos por todos que a precederam. 

A banda iniciou seu trabalho com Fabrício Brunetto na guitarra e vocal, Álvaro no baixo e TonyHell na bateria. Durante o primeiro ano de existência tocou em diversas cidades do Paraná e também no Paraguai. Ainda em 2014 lançou seu primeiro registro, um CD-demo auto intitulado, com 6 composições próprias, gravado em ensaio, sem  produção esmerada ou acompanhamento externo, mas que mesmo assim obteve ótima receptividade pelos que conferiram o material. 

No início de 2015, sentindo a necessidade de ampliar as possibilidades enquanto banda, os integrantes decidiram que seria preciso mais uma guitarra para chegar à intensidade musical que procuravam. Na busca por este novo integrante, foi recrutado Maickel Weissheimer para assumir as 4 cordas, sendo que Álvaro ficou responsável pela segunda guitarra. Com estas alterações feitas, logo foram criados novos temas, e foi sentido que era chegada a hora de um novo passo: a gravação de um trabalho com melhor produção, e que demonstrasse com mais fidelidade a proposta da banda, e assim foi iniciada em junho de 2015 a produção do 
primeiro álbum. 

Como todo o trabalho estava sendo desenvolvido de forma independente, tudo foi feito pacientemente, levando um anopara concluir toda a gravação, mixagem, registros legais e prensagem, sendo que no dia 06/06/2016 foi lançado o álbum “End of the
World”, com nove composições. Durante esse período, a banda continuou a se apresentar em cidades do Paraná e no estado vizinhode Santa Catarina. 

Paralelamente ao lançamento de seu primeiro álbum, o Toxic Revolution continuou trabalhando na divulgação de suasmúsicas, o que culminou na participação na edição comemorativa de 20 anos da coletânea Rock Soldiers, que conta com 30 bandas
do underground nacional e também com a participação de  Blaze Bayley, ex-vocalista da banda Iron Maiden. 

Com estes materiais em mãos e muito sangue nos olhos, a banda prossegue no trabalho de divulgação, pretendendo mostrarseu show no máximo de locais possíveis, sempre visando obter novos apreciadores e apoiadores! 

Contatos: toxicrevolutionband@gmail.com / www.facebook.com/bandatoxicrevolution 

ABSYDE HORDE no bloco "BARULHO NOISE" no Comando Noise dia 05/11/2017.

Release 2017
A banda iniciou a sua trajetória no ABC Paulista em 1996 com a proposta de tocar Death/ Black Metal e após algumas mudanças em sua formação e algumas demos lançadas entrou em um hiato de 8 anos.
O seu primeiro registro foi lançado em 1998, a demo em k7 "Damned Souls" e depois The 
Ancient Prophecy - Demo CD-r (2000), Hate and Blasphemy - Demo K7 (2003) e ABC ao Extremo - Live in Garage Fest- Split CD (2016).
Em 2013 a banda retornou as atividades realizando diversos shows pela região e participou 
também de alguns festivais e somente em 2017 finalizam o seu debut álbum," Atrocities in the name of.. “ que foi gravado e produzido por Victor Prospero, que já trabalhou atuando/produzindo bandas como: Evil Mayhem, Necromesis, Seventh Seal, Justabeli, Odium Hominum, Spiritual Hate, Sculpture etc
O disco é composto por uma introdução e nove músicas, sendo uma delas cantada em 
português e é composto por melodias e riffs que em sua simplicidade criam climas obscuros que circulam entre o Black e o Death Metal mantendo a sua essência e a temática abrange histórias de crimes horrendos praticados pela igreja e pelos seus escrotos pontífices que buscam o poder político/financeiro há milhares de anos, cegam e fazem pessoas reféns de escritos proféticos cheio de histórias inventadas que ensinam aos acéfalos desprovidos de inteligência, a resignação e o conformismo indiscriminado, tornando-os eternos dependentes da própria loucura que chamam de religião.

Discografia:
Damned Souls - Demo K7 (1998)
The Ancient Prophecy - Demo CD-r (2000)
Hate and Blasphemy - Demo K7 (2003)
ABC ao Extremo - Live in Garage Fest - Split CD (2016)

Formação atual: (2017)
Eduardo Vieira ( Vocal )
Eduardo Guerreiro ( Guitarra)
Leonardo Zeferino ( Bateria ) 
Denis Markus ( Baixo )
Victor Prospero (Guitarra)

(Shows, e Imprensa)
E-mail: absydehorde@gmail.com
Contatos:
Merchandising: absydehorde@gmail.com
Youtube:: www.youtube.com/absydehorde
Facebook:: www.facebook.com/absydehorde
Bandcamp: www.absydehorde.bandcamp.com

terça-feira, 24 de outubro de 2017

Especial Noise com TORTURE SQUAD no COMANDO NOISE dia 29/10/2017 - Assessoria Roadie Metal.

Com muita honra e alegria apresentamos para vocês nesse domingo um especial de 6 horas com a banda 
TORTURE SQUAD. Teremos uma entrevista super bacana e o melhor de toda discografia da banda, além de tocarmos também na íntegra o novo álbum Far Beyond Existence.

Atenciosamente
Titio Bron Bron
locutor do Comando Noise




TORTURE SQUAD

O Torture Squad começou em 1989, na Zonal Sul da cidade de São Paulo, tendo Cristiano Fusco como guitarrista e fundador, Marcelo Fusco na bateria e Marcelo Dirceu no baixo e voz. Tocando no underground da cena metal paulistana e com nenhum trabalho gravado até o começo da década de 90, a banda se dissolve ficando somente o guitarrista.
Em 1993, recrutando novos integrantes, Fusco convida para se juntar a banda o baterista Amilcar Christófaro (RTH) e o baixista Castor (Toxic Stage). Para completar a banda, Amilcar indica os companheiros da sua ex-banda RTH, o vocalista Vitor Rodrigues e o guitarrista base Fulvio Pelli, dando a banda um novo e real recomeço.
Seu metal agressivo, pesado e técnico pode ser ouvido em seus trabalhos;

A soul in Hell (demo 1993)
Shivering (1998)
Asylum Of Shadows (1999)
The Unholy Spell (2001)
Pandemonium (2003)
Death, Chaos and Torture Alive (2004 – cd)
Death, Chaos and Torture Alive (2005 – dvd)
Chaos Corporation (2006 – EP)
Hellbound (2008)
AEquilibrium (2010)
Esquadrão de Tortura (2013).
Coup d´État Live (2015).
Return of Evil (2016).
Far Beyond Existence (2017)

Comentários de Amilcar Christófaro

Com a formação estabelecida, em 1993, gravam a primeira demo tape A Soul In Hell, contendo cinco faixas. Na sequência o guitarrista Fulvio Pelli deixa a banda, fazendo com que desde então o Torture Squad opte musicalmente por ter apenas uma guitarra, fazendo com que a banda trabalhe mais a “cozinha” da banda, tanto por suas influências quanto para suprir a falta de outra guitarra.
Shivering, o primeiro álbum que deveria ter sido lançado em 1995, por diversas falhas de terceiros, é lançado somente em 1998. Com a banda tocando bastante, e sempre dando muita importância em levar o próprio equipamento para os shows, sabiam que isso era vital para as pessoas entender a música exatamente do jeito como ela foi composta.
“Nunca pensei em não levar minha bateria. Só, é claro, se não tivesse jeito mesmo. Se eu compus uma música que tem uma virada usando três tons da bateria, isso tem um porque, não é aleatório, e com os caras isso era em relação a timbre, peso, qualidade, então naturalmente tínhamos essa preocupação em levar o próprio equipamento. Me lembro de quando o Cristiano comprou um JCM900 da Marshall eu pirei com o peso da guitarra. Ao vivo ficava com o mesmo punch do ensaio, e com certeza isso fez uma diferença em fazer as pessoas prestarem atenção na banda.”

O primeiro álbum foi rapidamente seguido por seu segundo trabalho, Asylum of Shadows, de 1999, gravado em São Paulo no estúdio Mr Som, com produção de Pompeu e Heros Trench do Korzus.

“Mesmo com o atraso do lançamento do Shivering a gente não parava de ensaiar e compor, ainda mais naquela época. Estávamos pegando fogo para compor e sair tocando, e por isso que os lançamentos dos dois primeiros discos foram bem próximos um do outro, porque foi juntando muita música.”

No ano seguinte, em 2000, a banda embarca pela primeira vez para a Europa para a Who Wants Some Metal Tour, com sete datas na Alemanha, fruto de um intercâmbio com a banda alemã Grin, que viria ao Brasil no final de 2001.

“Com muito sacrifício conseguimos fazer a nossa primeira turnê na gringa. Conhecer outras culturas, e sentir como headbangers de outras nacionalidades responde a sua música é muito legal. Com certeza isso fez crescer muito a nossa confiança e devoção na banda.”

Em 2001, o Torture Squad lança seu terceiro álbum, The Unholy Spell, eleito por público e imprensa especializada, como um dos melhores álbuns de metal do Brasil lançados naquele ano. Gravado em São Paulo no Da Tribo Studios com produção de Ciero e coprodução de Tchelo Martins.

Neste mesmo ano, a banda lança seu primeiro videoclipe para a música Abduction Was The Case, exibido por diversas vezes na MTV Brasil, no excelente e extinto programa Fúria Metal.

Em 2002, o guitarrista Cristiano Fusco deixa a banda sendo substituído por Mauricio Nogueira (ex-Krisiun), que já entra na estrada, fazendo a primeira turnê brasileira, a Unholy Legion Tour 2002, ao lado do Nervochaos.

“Estávamos indo para a nossa primeira turnê brasileira, passar dias na estrada, ou seja, tudo que sempre buscamos. Mesmo com o fundador da banda saindo, não nos abalamos de forma alguma, e já estávamos compondo para o próximo disco, que viria a ser o Pandemonium. Estávamos numa empolgação muito grande com as músicas, porque estava no mesmo feeling de sempre, a mesma atitude, buscando naturalmente  inovar e evoluir dentro do nosso estilo.”

O Ano de 2003 chega e a banda lança o álbum Pandemonium. Eleito pelos leitores da revista Roadie Crew, a maior revista de Heavy Metal do Brasil na atualidade, como o melhor álbum de metal do Brasil em 2003.

O Torture Squad é votado para ser o headliner do Brasil Metal Union Fest, um dos mais importantes festivais de metal do Brasil, que aconteceu em São Paulo, com o show dando o inicio da Pandemonium Tour.

Entre 2004/2005, a banda lança seu primeiro CD e DVD ao vivo, Death, Chaos and Torture Alive, e excursiona por todo o Brasil por quase dois anos divulgando esse primeiro registro ao vivo.

“Não tínhamos a intenção de gravar esse DVD. Para a gente claro que seria grande show com o Desaster em São Paulo, mas nada mais.Então a Mutilation Records, que foi a realizadora do show e a gravadora que lançou o Pandemonium, já iria gravar o DVD deles, então ele veio com a proposta, sendo assim pensamos...Porque não?”

Em 2006, dando sequência a Death, Chaos and Torture Alive Tour, a banda volta à Europa para fazer 18 shows entre a Alemanha e Áustria, incluindo um show no Musikmesse, segunda maior feira de música do mundo e maior da Europa, que acontece em Frankfurt na Alemanha.
Ainda em 2006, o Torture Squad se apresenta pela terceira vez no Brasil Metal Union, em São Paulo, na casa de show Espaço das Américas. Dessa vez como co-headliner, tendo Krisiun e Angra como atrações principais.
A Death, Chaos and Torture Alive Tour, se extendeu pela América do Sul passando por Paraguai, Chile, Peru, Equador, Colômbia e Panamá. Neste mesmo período a banda já trabalhava em seu próximo álbum, e em novembro de 2006, lança o EP Chaos Corporation.
O EP contém duas faixas inéditas, Chaos Corporation e The Beast Within, mais 3 faixas remasterizadas da sua fita demo A Soul in Hell (1993) como bônus.
Em junho de 2007, aconteceu no Brasil o Metal Battle. Uma seletiva mundial de bandas feita pelo festival alemão, Wacken Open Air,  onde a banda vencedora, ganha o direito em tocar no próprio festival na Alemanha, na cidade de Wacken.
O Torture Squad participou e foi a banda escolhida pelos jurados para representar o Brasil no Wacken Open Air Festival, em agosto de 2007. Na Alemanha, participando do Metal Battle do próprio festival, disputando com bandas do mundo inteiro, novamente a banda é escolhida vencedora, e com isso assinam um contrato com a gravadora alemã Wacken Records, tendo assim o seu próximo álbum lançado na Europa.

“Nunca vou associar música com competição, nunca. Então vimos no Metal Battle, um dos vários caminhos de alcançar o que sempre buscamos, que é um contrato com uma gravadora gringa. Mesmo muito antes de participarmos desse evento, a gente divulgou a banda para as gravadoras de fora do Brasil, mandando cd, vídeos e releases por correio, e como até a data do evento não tínhamos assinado com nenhuma gravadora, isso nos deu abertura em participar. Não tínhamos nada a perder e para a nossa sorte deu tudo certo, então quando tudo rolou, finalmente tínhamos um contrato com uma gravadora para lançar nossos discos na Europa.”

Em janeiro de 2008, Maurício Nogueira deixa a banda e Augusto Lopes (ex-Eternal Malediction) entra em seu lugar. No mesmo ano, a banda embarca para a Hellbound Tour com 60 shows por toda Europa, incluindo outro show no Festival Wacken Open Air daquele ano, tendo mais tempo de set e sendo um dos headliners de um dos quatro palcos do festival, o Wet Stage.
Após o lançamento de Hellbound e sua excelente repercussão no mundo inteiro, a banda fez a segunda parte da Hellbound Tour pela Europa novamente, e dessa vez com duas lendas do thrash metal, Overkill e Exodus.

A turnê começou no dia 20 de fevereiro em Londres, com a banda tocando pela primeira vez na Inglaterra, totalizando mais 40 shows em países como Espanha, Alemanha, Itália, Holanda, Suíça e República Checa.

Em Janeiro de 2010, pela primeira vez, tocam na Argentina, fazendo 5 shows na grande Buenos Aires. O álbum AEquilibrium foi lançado na Europa e no Brasil em agosto de 2010. Neste novo lançamento, a banda grava uma nova versão para a faixa-título de seu terceiro álbum The Unholy Spell, que é incluída como faixa bônus, com o título de The Unholy Spell 2010.
O álbum foi gravado São Paulo, no Norcal Studios, com os produtores Brendan Duffey e Adriano Daga.

“Queríamos um som mais limpo e pesado no AEquilibrium dando ênfase na cozinha da banda mas sem tirar o peso. Acredito que conseguimos isso. Gosto muito da produção desse disco.”

Em Janeiro de 2011, o guitarrista Augusto Lopes deixa a banda e em seu lugar entra André Evaristo (ex-Magister e Sounder). Mesmo com a mudança na formação, a banda não para, ficando até julho do mesmo ano na estrada. Um mês depois, a banda faz Aequilibrium European Tour 2011, novamente com mais de 40 shows em 12 países até o final de outubro, tocando pela terceira vez no festival alemão Wacken Open Air, fato que faz do Torture Squad naquele momento, ser a única banda brasileira a tocar três vezes no festival.

Retornando ao Brasil, o Torture Squad é convidado pelos americanos do Overkill a tocarem juntos no show de São Paulo, e pela primeira vez no estado do Amapá, a banda é headliner no festival Quebramar, em Macapá.

Em março de 2012, após 19 anos no line up, o vocalista Vitor Rodrigues deixa a banda. Com isso, a banda assume ser um trio com André Evaristo assumindo os vocais junto à guitarra.

“A primeira coisa que pensamos foi falar para o André para ele fazer o vocal, porque ele já tinha tocado e cantando nas antigas bandas dele, então era só uma questão de readquirir a prática e fazer uma voz mais agressiva. Sei muito bem que a tarefa dele seria muito difícil, mas se ele aceitasse e rolasse, na nossa visão, seria perfeito para a banda, e foi o que aconteceu.”

Tocando com o Anthrax e o Misfits em São Paulo no HSBC e pela primeira vez em Palmas (TO) como atração principal no Tendencies Festival, no dia 10 de agosto do mesmo ano, a banda é headliner do Quito Fest 2012, um dos festivais mais renomados da América do sul, realizado na cidade de Quito no Equador, para um publico aproximado de 25 mil pessoas.

No ano de 2013, a banda comemora 20 anos do lançamento da demo-tape A Soul In Hell, celebrados na turnê Twenty Years Torturing People Tour 1993-2013, iniciada em maio na Europa ao lado do Artillery, Gama Bomb & Tantara, com 18 shows em 20 dias.
De julho a agosto de 2013 a banda escolhe novamente o Norcal Studios para gravar seu sétimo álbum de estúdio intitulado Esquadrão de Tortura. Repetindo a parceria de Brendan Duffey e Adriano Daga na produção.
Esquadrão de Tortura é o primeiro álbum gravado como um trio, a ter o nome em Português e ser liricamente conceitual, contando em ordem cronológica, o período em que o Brasil foi governado por um regime militar (1964 a 1985).
A data oficial do lançamento foi 15 de novembro, dia da Proclamação da República do Brasil.
“Sem dúvida nenhuma o Esquadrão de Tortura é um dos álbuns mais importantes das nossas vidas. Manteve a banda firme e forte, em um período que precisávamos mostrar para nós mesmos que a estrutura da banda estava lá. Naturalmente isso aconteceu, e as pessoas notaram isso.”

Em 2014 nos meses de Julho /Agosto, a banda faz sua segunda turnê sul americana com treze shows em quatro países; Chile, Peru, Equador e Paraguai. Finalizando o ano, gravam no dia 20 de dezembro em São Paulo, o dvd ao vivo, “Coup d´État Live”, lançado em julho de 2015.
Em setembro do mesmo ano, o vocalista/guitarrista André Evaristo deixa o Torture Squad sendo assim a banda volta ao seu line-up tradicional como quarteto trazendo Mayara “Undead” Puertas (Ex- NECROMESIS) nos vocais e Rene Simionato (Ex-IN RUÍNAS e GUILLOTINE) na guitarra, dando continuidade a tour do cd e dvd ao vivo “Coup D´État Live”.
Já com a nova formação, a banda entra em estúdio para gravar o EP Return of Evil, que conta com quatro músicas; as inéditas “Return of Evil” e “Swallow Your Reality”, “Iron Squad” e a regravação de “Dreadful Lies”, música originalmente lançada no primeiro álbum Shivering (1998). O EP também conta, como faixa multimídia, o vídeo clipe de “Return of Evil” e um mini documentário da gravação, contendo vídeos de “Dreadful Lies” e “Iron Squad” feitos exclusivamente para o EP, lançado em março de 2016.
Após o ano de 2016 ser dedicado totalmente a divulgação do EP Return of Evil, com uma turnê histórica pelo Brasil entre agosto e setembro, tendo vinte oito shows em trinta e dois dias, com show todos os dias, a Return of Evil European tour com dezoito shows em novembro, e uma tour de treze shows pelo interior paulista e Paraná já em fevereiro de 2017, entre as turnês, a banda se prepara para a gravação do próximo álbum.
Com o mesmo time de produção do EP Return of Evil (2016), Wagner Meirinho e Tiago Assolini, a banda entrou nos estúdios Loud Factory e Orra Meu, em São Paulo, entre os meses de abril e junho de 2017, para gravar as nove músicas do novo álbum, além de quatro faixas bônus.
Banda e produtores optaram pela sonoridade mais pesada e limpa possível. Essa escolha, somada à exigência dos produtores e à precisa execução dos músicos na gravação, pode ser sentida, de forma clara, na agressividade, no peso e na musicalidade do álbum.
Far Beyond Existence contou com muitas participações, como as de Dave Ingram (Haill of Bullets, ex-Benediction, Bolt Thrower), em Hate; Edu Lane (Nervochaos), na narração em Cursed by Disease; Luiz Louzada (Vulcano, Chemichal Desaster), em You Must Proclaim; Alex Camargo (Krisiun), na versão de Just Got Paid, dos texanos do ZZ Top; Marcello Schevano (Carro Bomba, Golpe de Estado, Casa das Máquinas), tocando Hammond na inédita Torture in Progress, e Fernanda Lira (Nervosa), na versão de Divine Step, da banda suíça Coroner.
Nas letras, são abordados diferentes tópicos, como as questões da vida que estão além da compreensão humana (Far Beyond Existence), passando por inspiradoras mensagens de atitude (Steady Hands), palavras ¨amorosas¨ para os políticos brasileiros (Don´t Cross my Path), até filosofias de vida do Bruce Lee (Hero for the Ages).
A capa, desenvolvida exclusivamente para a banda, foi feita por Rafael Tavares e contém detalhes significativos que remetem ao tema do álbum. A imagem do crânio representa os humanos; a serpente, os animais; o céu e as rochas, o universo; e o olho do réptil e do crânio simbolizam portais para um mundo que ainda não conhecemos.

Far Beyond Existence. O oitavo álbum de estúdio do foi lançado no dia 13 de julho, dia mundial do Rock. A turnê do álbum começou no Brasil no mês de agosto, com vinte e seis shows em trinta dias, seguido de uma mini tour de cinco datas na Argentina.

Far Beyond Existence (2017)



ASSESSORIA EXCLUSIVA


quarta-feira, 18 de outubro de 2017

ESPECIAL NOISE com a banda OVERDOSE dia 22/10/2017 no Comando Noise.

Considerada uma das bandas mais antigas do cenário da música pesada no Brasil, foi formada em 1983. Com dois anos de carreira a banda lançou seu primeiro trabalho (1985) em um álbum dividido com a banda Sepultura (Século XX/Bestial Devastation). A OverDose é considerada por muitos a pioneira no tão famoso e conhecido “Brazilian Groove Metal”, por trazer ao metal elementos rítmicos da música cultural brasileira associando-os para a construção de um groove musical nunca antes ouvido.

Depois de várias turnês (incluindo tours com o Sepultura, e aberturas de shows para bandas como Testament, Kreator e outras) e cinco álbuns lançados no território nacional pela gravadora brasileira Cogumelo (Século XX, Conscience..., You're Really Big, Addicted to Reality e Circus of Death), a banda firma um contrato com a gravadora norte-americana "Futurist Label Group" (1993) e lança seu sexto CD a nível mundial, Progress of Decadence. Este acordo rendeu à banda duas turnês norte-americanas (USA e Canada), uma européia e vários festivais.

Foram mais de 90 shows no exterior só no ano de 1995, seguindo-se o lançamento de seu sétimo trabalho, Scars e mais duas turnês norte-americanas. Em seu primeiro contato com o público no exterior, o Overdose apresentou-se em 40 shows ao lado das bandas americanas Skrew e Spud Monsters. O grupo também se apresentou ao lado da banda Carnivore, a qual integra Peter Steele, vocalista da banda Type O Negative, em um show na famosa casa noturna de Nova Iorque, Lime Light.

Em sua segunda tour no exterior, o Overdose já passa a ser a banda principal com outra banda americana, Dead Orchestra. Em sua turnê européia a banda foi suporte para o Grip Inc. (banda do ex-baterista do Slayer, Dave Lombardo), tocou em alguns dos principais festivais deste continente, como: Dynamo Open Air (Holanda), Megafolies (França), Rock Affligem (Bélgica) e outros. Nestes festivais o Overdose dividiu o palco com bandas como Type O Negative, L7, Biohazard, Sick of It All, Mad Ball, Nail Bomb, Machine Head, Dog Eat Dog, entre várias outras.

Após uma breve respirada no Brasil a banda é convidada para tocar numa das duas maiores convenções de rádio dos Estados Unidos, "CMJ". O Overdose se apresentou novamente no Lime Light, na noite principal do evento, ao lado de bandas consagradas e outros nomes emergentes no cenário internacional, como: Skid Row, Korn, Clutch, Warrior Soul, X Cops, dentre outras.

Em 2016 após um hiato que durou longos anos, a OverDose sobe aos palcos para uma breve participação no 53HC Music Fest com seu atual lineup com Bozó, Claudio e Sérgio acompanhados por Heitor Silva (Tormento) na bateria e Bernardo Gosaric (ex-Eminence) no baixo. O Evento ocorreu em Belo Horizonte e reuniu bandas como Tormento, Worst e Sepultura.

Em Fevereiro de 2017, o retorno do OverDose ocorre no Festival Bloco dos Camisa Preta em Belo Horizonte com mais de 10mil pessoas presentes. Em Junho a OverDose se apresenta no Roça 'n Roll dividindo o palco com bandas como André Matos, Project46, Salário Mínimo e outras.

Integrantes
Pedro Amorim "Bozó" - Vocal
Cláudio David - Guitarra 
Sérgio Cichovicz - Guitarra 
Bernardo Gosaric - Baixo
Heitor Silva - Bateria


BARULHO NOISE com as bandas MOFO, FLAMENHELL e APORYA dia 22/10/2017 no Comando Noise.


DOBRADINHA NOISE "DUAS BANDAS EM UM COMANDO SÓ" - Entrevista Noise Exclusiva com as bandas Necromancer e Jailor - Assessorias da Sangue Frio Produções e da Roadie Metal.

Necromancer


O Necromancer foi formado no final de 1986, quando dois irmãos (Luiz Fernando e Luiz Cláudio) juntaram-se a amigos comuns e colegas de colégio. A formação original era: Marcelo Coutinho (vocais), Robert Haulfon (guitarra), Luiz Fernando (guitarra), Alex Rocha (baixo) e Luiz Cláudio (bateria). A idéia inicial do grupo era trabalhar dentro dos gêneros Heavy/Thrash Metal, com influências de grupos como: Slayer, Kreator e Destruction.

O grupo manteve esta formação por pouco tempo. Alex Rocha (baixo) saiu poucos meses após a formação e foi substituído por Paulo André (baixo). Em 1986, foi gravada a primeira demo tape, denominada DEMO I, com as músicas Ameaça Assassina e Carrasco (Mensageiro do Fim). Em 1987, foi gravada a segunda demo tape NECROMANCER, com as músicas Dark Church, Necromancer e Killer Threat. Nesta fase, o grupo foi divulgado no programa Guitarras da extinta rádio Fluminense, através do apresentador Fernando Folena. Em 1987, Paulo André foi substituído por Gustavo Fernandez (baixo, ex-Deathrite). No final de 1988, por motivos de diferenças musicais, Robert Haulfon (guitarra) e Luiz Cláudio (bateria) saíram do grupo. Em 1988, Alex Käfer (bateria) entrou no grupo. Devido à dificuldade de encontrar um guitarrista disposto ao trabalho sério, foi decidido o término do grupo.

Em 1993, após conhecerem Maurício Meloni (guitarra), foi decidido o retorno do grupo, mantendo a mesma linha musical anterior, mas com algumas mudanças para tornar o som mais atualizado e trabalhado. Gustavo Fernandez (baixo) foi substituído por Vinícius Farias (baixo). No final 1994, foi lançada uma demo tape SCIENCE OF FEAR. 

Em 1996, foi lançada outra demo tape VICTIMS OF MANEUVERINGS. Estas músicas tiveram uma boa aceitação no underground, fato que favoreceu a presença do grupo em shows em vários locais do Rio de Janeiro e São Paulo.

Em 1998, por diversos motivos pessoais, o grupo cessou novamente suas atividades.

Nos períodos de 1986 a 1988 e de 1994 a 1997, o Necromancer apresentou-se em locais como Circo Voador, Caverna e Garage (RJ), Teatro Mambembe e Rainbow Bar (SP) com bandas como: MX, Dorsal Atlântica, Multilator, Explicit Hate, Deathrite, Viper, Sigrid Ingrid, Prime Mover etc.

Em 2005, após um convite feito pela gravadora carioca Marquee Records, visando o lançamento de um CD com o material antigo, o grupo retornou novamente. À época, a formação trouxe os integrantes originais - Marcelo Coutinho e Luiz Fernando -, além de Fabio Caputo (guitarra, ex-Deathrite), Alex Kaffer (baixo, Mysteriis) e Marcelo Henrique (bateria). O álbum acabou não saindo e o grupo saiu novamente de cena.

Em 2010, a banda arriscou um novo retorno com Fabio (baixo) e Marcus (guitarra) mas, devido a diferenças musicais, o projeto não seguiu adiante. 

Persistindo e com a vontade de lançar suas músicas, em 2012 os três integrantes que ainda estavam juntos - Luiz Fernando, Marcelo Coutinho e Alex Kaffer - resolveram voltar a ensaiar, apenas os três. A ideia era gravar um CD apenas com músicas compostas nas fases iniciais da banda, mas com uns pequenos ajustes para fazê-las soar mais atuais.

O "acerto de contas com o passado" veio em 2014 com o lançamento do 'debut' "Forbidden Art", pelo selo Heavy Metal Rock, com Marcelo Coutinho (vocal), Luiz Fernando (guitarras) e Alex Kaffer (bateria e baixo). Entre as músicas antigas presentes estão, dentre outras, "Necromancer", "Deadly Symbiosis” e "Dark Church".

Em 2014, banda volta com a formação completa Marcelo Coutinho (vocal), Luiz Magalhães e Edu Lopes (guitarras), Gustavo Fernandez (baixo) e Alex Kaffer (bateria).

Em março de 2015, Eduardo Lopes (guitarra) deixa o grupo para desenvolver uma nova banda. Logo depois, Alex (bateria) deixa o grupo por motivos pessoais e é substituído por Vinícius Cavalcanti. A banda continua o trabalho como quarteto. Em 2016, Alex Kaffer retorna a banda como guitarrista.

A formação atual da banda é: Marcelo Coutinho (vocal), Luiz Fernando e Alex Kaffer (guitarras), Gustavo Fernandez (baixo) e Vinicius Cavalcanti (bateria).


JAILOR
Jailor foi concebido em 1998 com o claro objetivo principal de compor e executar seu próprio thrash metal baseado no respeitado Brazilian Thrash Metal. Depois de lançar duas demo CD/tape,Capital Punishment e Religious Unpurge, finalmente veio o álbum de estreia.
Evil Corrupts foi lançando em 2005 em um novo formato de mídia, o SMD, acompanhado de uma arte gráfica matadora, além do thrash metal devastador pelo qual a banda se tornou conhecida.
Visando atingir uma sonoridade mais brutal, aprimorar o processo de composição, melhorar sonoridade das músicas e obter melhor performance de palco, a formação da banda foi mudada. O resultado das mudanças pode ser visto no segundo álbum, chamado Stats of Tragedy ( Show de lançamento dia 07/11/15).
O álbum traz oito obras-primas do thrash metal, fazendo da Terra o Inferno! Gravado no estúdio Avant Gard por Maiko Thomé Araújo, traz novamente a excepcional arte de Anderson L.A., mesmo artista que assina a arte gráfica do primeiro álbum da banda, bem como de outras bandas brasileiras de metal.
A banda tocou ao lado de nomes bandas de renome internacional: Destruction (Alemanha), Morbid Angel (Estados Unidos), Exciter (Canadá), Krisiun (Brasil), Ratos de Porão (Brasil), M-Pire of Evil (integrantes Venom / Inglaterra), Assassin (Alemanha), Torture Squad (Brasil), Malefactor (Brasil), Violator (Brasil) e Suicidal Angels (Grécia) e atualmente trabalha na divulgação de Stats of Tragedy em todo o mundo.
Jailor se autodesigna Brazilian Thrash Metal, mas, por outro lado, muita gente prefere atribuir o rótulo de death/thrash às músicas do grupo. A despeito da forma que você classifica ascomposições, Jailor faz, acima de tudo, metal em seu estado mais puro.
A banda agora está investindo todos os seus esforços para divulgar sua obra, através de parcerias com selos e distribuidores em todo o mundo, assim como agendando datas para mostrar o trabalho ao vivo.


Line-up:
Flávio Wyrwa: Screams
Marcos: Guitar
Alessandro Guima: Guitar
Emerson Niederauer: Bass
Jefferson Verdani: Drums

Discografia oficial:


Evil Corrupts – 2005

Stats of Tragedy – October 2015

STATS OF TRAGEDY/2015 - (FULL ALBUM DOWNLOAD):


Contato para shows: jailorthrash@gmail.com / (41) 9649-0879 (Emerson)

Entrevista Noise Exclusiva com a banda JAILOR no Comando Noise dia 22/10/2017 - Assessoria Roadie Metal.

Jailor foi concebido em 1998 com o claro objetivo principal de compor e executar seu próprio thrash metal baseado no respeitado Brazilian Thrash Metal. Depois de lançar duas demo CD/tape, Capital Punishment e Religious Unpurge, finalmente veio o álbum de estreia.
Evil Corrupts foi lançando em 2005 em um novo formato de mídia, o SMD, acompanhado de uma arte gráfica matadora, além do thrash metal devastador pelo qual a banda se tornou conhecida.
Visando atingir uma sonoridade mais brutal, aprimorar o processo de composição, melhorar sonoridade das músicas e obter melhor performance de palco, a formação da banda foi mudada. O resultado das mudanças pode ser visto no segundo álbum, chamado Stats of Tragedy ( Show de lançamento dia 07/11/15).
O álbum traz oito obras-primas do thrash metal, fazendo da Terra o Inferno! Gravado no estúdio Avant Gard por Maiko Thomé Araújo, traz novamente a excepcional arte de Anderson L.A., mesmo artista que assina a arte gráfica do primeiro álbum da banda, bem como de outras bandas brasileiras de metal.
A banda tocou ao lado de nomes bandas de renome internacional: Destruction (Alemanha), Morbid Angel (Estados Unidos), Exciter (Canadá), Krisiun (Brasil), Ratos de Porão (Brasil), M-Pire of Evil (integrantes Venom / Inglaterra), Assassin (Alemanha), Torture Squad (Brasil), Malefactor (Brasil), Violator (Brasil) e Suicidal Angels (Grécia) e atualmente trabalha na divulgação de Stats of Tragedy em todo o mundo.
Jailor se autodesigna Brazilian Thrash Metal, mas, por outro lado, muita gente prefere atribuir o rótulo de death/thrash às músicas do grupo. A despeito da forma que você classifica as composições, Jailor faz, acima de tudo, metal em seu estado mais puro.
A banda agora está investindo todos os seus esforços para divulgar sua obra, através de parcerias com selos e distribuidores em todo o mundo, assim como agendando datas para mostrar o trabalho ao vivo.


Line-up:
Flávio Wyrwa: Screams
Marcos: Guitar
Alessandro Guima: Guitar
Emerson Niederauer: Bass
Jefferson Verdani: Drums

Discografia oficial:


Evil Corrupts – 2005

Stats of Tragedy – October 2015

STATS OF TRAGEDY/2015 - (FULL ALBUM DOWNLOAD):


Contato para shows: jailorthrash@gmail.com / (41) 9649-0879 (Emerson)



Banda MOFO no bloco "BARULHO NOISE" no Comando Noise dia 22/10/2017.


Formada em março de 2010 em Brasília/DF, Brasil por Rodrigo “Shakal” Loreto e Lucas Werner, MOFO explora o cenário underground com seu Thrash geralmente acompanhado por outros gêneros como Death e Hardcore.
Nascida ainda nos tempos de colégio, MOFO começou com Iron Maiden e Metallica correndo em suas veias, evidenciado em sua primeira demo de 2012, fortemente influenciada pelo Heavy e Thrash dos primeiros anos da década de 80. A partir da demo de 2014 e single de 2015, a banda já mostrava sua evolução, se tornando mais pesada, rápida, suja, agressiva, até culminar na atual devastação sonora de seu primeiro EP EMPIRE OF SELF-REGARD em 2017, 18 minutos de intenso quebra pau.  Gravado no Broadband Studio por Caio Duarte (Dynahead) que também mixou e masterizou o trabalho, EMPIRE OF SELF-REGARD é o primeiro trabalho lançado em mídia física pela banda e conta com arte da artista Bárbara “Jekyll” Lourenção.
Totalmente independente, crescendo com a ajuda do underground nacional e contando apenas com músicos de primeira viagem, não falta garra neste quinteto que, rapidamente, aprendeu que é no palco que se define o que é o metal nacional.
No histórico da banda contam os festivais  candangos Blood Fire Death, Carnarock, Dark Fest, Headbanger’s Attack e a recente classificação para participar do Porão do Rock em novembro. Já dividiram o palco com nomes de peso como Witchhammer, Dark Avenger, Torture Squad, Holocausto, Necrobiotic, Armum, Phrenesy, Terror Revolucionário e Flasho


Formação atual:
Emiliano Gomes (Vocal)
Arthur Colonna (Guitarra)
Rodrigo “Shakal” (Guitarra)
Pedro Dinis (Baixo)
João Paulo “Mancha” (Bateria)
Formação Empire of Self-Regard:
Emiliano Gomes (Vocal)
Arthur Colonna (Guitarra)
Rodrigo “Shakal” (Guitarra)
Pedro Dinis (Baixo)
Gustavo Melhorança (Bateria)


Tracklist Empire of Self-Regard
01 – Mountain of Origin
02 – Tartarus
03 – Eternal Stealing of Souls
04 – Black Squad
05 – We Are Metal

Telefone: (61) 9 82118828 – (61) 9 92893115
E-mail: mofothrash@gmail.com
Origem e residência: Brasília – DF (Brasil)
Links:
https://www.facebook.com/mofothrash/
https://www.youtube.com/user/mofothrash
https://soundcloud.com/mofothrash
https://twitter.com/mofothrash
https://mofothrash.bandcamp.com/releases
https://www.instagram.com/mofothrash/
https://open.spotify.com/album/3N6O7Rhqli8IrKvCHKHqkR
http://www.deezer.com/album/42949251
https://itunes.apple.com/br/album/empire-of-self-regard-ep/id1246817038

terça-feira, 17 de outubro de 2017

Banda FLAMENHELL no bloco "BARULHO NOISE" no Comando Noise dia 22/10/2017

A Flamenhell foi formada em 2015 por Tiago Monteiro na cidade de João Pessoa. A banda se embasa no Death Metal mas mescla o gênero com outras vertentes, como o Thrash/Groove e  Melodic Death.
No ano de 2016 foi lançado uma single de ‘Avro Lancaster’, uma das faixas que estão no primeiro Full-Lenght da banda. Intitulado ‘Fire Away’, o material será lançado no segundo semestre de 2017 e contará com 10 faixas autorais.
O lineup atual conta com:
Vocals:   Tiago Monteiro (Aporya)
Guitars:  Cristiano Costa (Aporya)
Guitars:  Karl Neuman (Aporya)
Bass:       Madson Oliveira
Drums:   Vitor Alves (Terrible Force)

Redes Sociais:
-Facebook: https://www.facebook.com/flamenhell/

-Youtube:  https://www.youtube.com/channel/UC5aEzJ9HRcgGG08ReDriB-g

Banda APORYA no bloco "BARULHO NOISE" no Comando Noise dia 22/10/2017

Aporya é uma banda de Doom Metal formada na Paraíba, tendo membros das cidades de João Pessoa e Campina Grande. O projeto foi idealizado por Tiago Monteiro (Flamenhell) e Cristiano Costa (ex Infected Mind) no final de 2016.
Inicialmente a ideia do projeto era de apenas o lançamento de um disco, o que acabou mudando e logo o projeto tornou-se banda devido à ótima recepção do público.  No começo de 2017, é lançado o primeiro Full, intitulado ‘Dead Men Do Not Suffer’, um CD conceitual onde todas as músicas estão interligadas contando uma única história.
O material foi lançado em CD físico no Brasil e Rússia, com distribuição por toda Europa e território nacional. A versão europeia existe em formato K-7, lançado pela Narcoleptica Productions e em formato CD, lançado pela Endless Winter Records. Paralelo a divulgação desse material, a banda se encontra na produção do segundo Full, com previsão de lançamento para o primeiro semestre de 2018.
A Aporya atualmente segue a divulgação do seu primeiro CD e do videoclipe da música ‘One More Day’.
O lineup atual conta com:
Vocals:   Tiago Monteiro (Flamenhell)
Guitars:  Cristiano Costa (ex Infected Mind)
Guitars:  Karl Neuman (Flamenhell)
Bass:       Diego Nóbrega (ex Madness Factory, ex Necrohunter)
Drums:   Alisson Oliveira

Redes Sociais:
-Facebook: https://www.facebook.com/AporyaDoomMetal/
-Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCiZYYAYrz8fC45RGbEyTXdA